POLÍTICA E HISTÓRIA NO CORAÇÃO DO PODER DO RIO GRANDE

piratini1

Os acadêmicos do curso de Jornalismo da Faculdade de Comunicação Social da UniRitter visitaram, nesta terça-feira (26), as principais sedes dos poderes Executivo e Legislativo do Rio Grande do Sul: o Palácio Piratini e a Assembleia Legislativa. A atividade foi elaborada pelo professor e jornalista Rodrigo Lopes e integra o plano de ensino da disciplina de Jornalismo Político.

Ambos situados no Centro Histórico de Porto Alegre, ao redor da Praça da Matriz, os prédios fazem parte do cotidiano da cidade há décadas. As colunas e estátuas de estilo neoclássico do Piratini apresentam a sede do governo do Estado e instigam a curiosidade dos olhares que atraem por sua arquitetura. Já em frente ao Legislativo, uma faixa decora a esplanada e convida os que passam por ali a discutir o passado da Era Vargas, na mesma semana cujo suicídio do ex-presidente completa 60 anos.

Os dois espaços são cenários históricos e fundamentais para os estudantes de Jornalismo que desejam cobrir a política riograndense.

Dos bustos à história nacional

Inspirado na arquitetura dos palácios franceses, o Piratini começou a ser construído em 1909 com a finalidade de representar o Poder Executivo e ser a casa do governador do Estado. Conta com um jardim entre o prédio principal e a ala residencial. Entre os bustos do saguão principal, encontramos o do primeiro a residir no local, em meados de 1920: Júlio de Castilhos. Entretanto, há três governos o Piratini não serve de casa dos chefes do Executivo e serve apenas para atividades da administração pública.

No roteiro da nossa visita, foram observadas de perto pinturas de Aldo Locatelli nos salões Alberto Pasqualini e Negrinho do Pastoreio. Além dos espaços principais, os estudantes puderam conhecer também o Memorial Rádio da Legalidade. Nos porões do palácio, o ex-governador Leonel Brizola, em 1961, montou a cadeia de rádio que defendeu a Constituição Federal e a posse do vice-presidente João Goulart, após a renúncia de Jânio Quadros. A sede do Executivo foi parte importante e decisiva para os rumos da história brasileira a partir do episódio.

O plenário e o Solar dos Câmara

Os estudantes da UniRitter visitaram, além do Palácio Piratini, a  Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul. “A casa do povo”, como é conhecida, tem estrutura para reuniões, audiências e sessões parlamentares, além de uma sala para os veículos de imprensa e seu setor de Comunicação Social e Relações Institucionais. Ao caminhar pelo plenário, o coração do Legislativo, os alunos souberam como funciona o sistema digital de votação: uma pequena máquina eletrônica em cada mesa das bancadas para computar a presença e o voto de cada parlamentar.

Nos fundos da Assembleia Legislativa, o Solar dos Câmara preserva um casarão colonial em plena avenida Duque de Caxias. Em paredes rosadas, as grandes janelas de vidro escondem o interior por onde já passaram figuras históricas como o próprio duque. Dentro da casa, que hoje abriga um centro cultural com biblioteca, ainda podemos conhecer uma alcova – um pequeno quarto sem janelas onde, segundo a história, eram “guardadas” em segurança as moças solteiras da família. Tamanha antiguidade do solar, a casa tinha ainda uma senzala para os escravos da família, onde hoje encontra-se a biblioteca.

A TV que mais faz ao vivo no RS

A Comunicação do Legislativo gaúcho tem estrutura familiar a qualquer veículo de mídia. Com área dividida em redação, rádio, televisão, publicidade, audiovisual e administração, os profissionais realizam a cobertura diária do que acontece na Assembleia Legislativa. O superintendente de Comunicação Social e Relações Institucionais, Cleber Bertoncello, explicou como o expediente funciona e lembrou aos estudantes que o cotidiano da Casa costuma ser tumultuado nos dias com mais atividades parlamentares, o que compreende o período entre terça e quinta-feira.

A coordenadora de Rádio e TV, Michele Limeira, apresentou as ilhas de edição, libras e os estúdios. Segundo ela, a TV Assembleia é a que mais exibe transmissões ao vivo no Rio Grande do Sul. A equipe de Comunicação, ao todo, conta com cerca de 90 profissionais. Na TV, a grade é definida previamente, mas a prioridade são as sessões parlamentares. São produzidos também conteúdos inéditos para a veiculação diária na transmissão do canal da TVAL. O alcance do sinal é para todo o Estado, como de qualquer outra emissora de televisão. A tecnologia digital ainda não foi instalada.

Texto publicado no blog da disciplina de Jornalismo Político da UniRitter.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s